Professor da Unesc desenvolve estudo sobre o papel das mulheres em regimes autoritários 

Alicante (Espanha)

O professor doutor Ismael Gonçalves Alves, do curso de História e dos Programas de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Ciências Ambientais da Unesc, conduziu sua primeira ação de pesquisa na Universidade de Alicante (UA), na Espanha, como pesquisador visitante, no início deste mês. O objeto de seu estudo foi a Sección Femenina de la Falange Española (SF), tema que ele vem investigando desde 2015.

O lugar dessa pesquisa foi o Arquivo da Democracia, um espaço mantido pela UA por meio de seu Vicerrectorado de Extensión Universitária. Este arquivo tem como propósito reunir, organizar e disponibilizar documentos escritos, gráficos e sonoros produzidos por pessoas e movimentos sociais na província de Alicante, sobretudo a partir do final do Franquismo.

Continua após o anúncio
BANNER PORTAL MAIS SUL (1)
IPTUCRI-Mais Sul - 795x205
P1_B2
Banner 795x205 - Portal Mais Sul - Coopercocal - Fev24
COOPERALIANÇA-CAMPANHA-CHATBOT-BANNER-SITE- (3) - 795x205
IPTU ICARA 2024 - Alterando
Fim do anúncio

As pesquisas de Alves têm um propósito de analisar e compreender o lugar ocupado pelas mulheres em regimes autoritários, destacando sua subordinação a espaços tradicionalmente considerados femininos, como a família e a casa. Ele destaca que a SF foi escolhida como objeto de estudo devido à sua relevância histórica e ao papel das mulheres nesse contexto específico.

“Este projeto é um esforço contínuo para entender como regimes autoritários gradualmente retiraram os direitos das mulheres, contribuindo para a construção de uma sociedade masculinista”, ressalta Alves. A pesquisa é conduzida em parceria com a professora doutora María Luisa Rico Gómez, da Faculdade de Educação da UA, agregando ainda mais profundidade e perspectivas à análise.

Além dos avanços na pesquisa, as visitas de Alves à UA proporcionaram uma oportunidade única de intercâmbio entre o Arquivo da Democracia e o Centro de Memória e Documentação da Unesc.


Quer ficar bem informado? Clique aqui e participe do nosso grupo do WhatsApp.


 

Leia também